Pessoas e Remunerações

Como calcular o salário líquido

Todos os meses, quem tem funcionários tem uma tarefa certa: calcular o vencimento devido pelo seu trabalho nesse mês. Se para a empresa o mais importante é o caminho para chegar ao valor, através das parcelas que irão compor o seu custo, para os trabalhadores o que conta é o que vão receber no fim do mês, o salário líquido. Neste artigo, explicamos como se calcula.

O que é o salário líquido?

O salário líquido, habitualmente também chamado de salário “limpo” (mais informalmente) ou vencimento líquido, é o valor que a empresa efetivamente paga ao seu trabalhador, depois de somados todos os valores a que tem direito e deduzidos todos os descontos e obrigações.

O salário líquido, por ser o resultado da aplicação de vários cálculos, é o que aparece em último lugar no recibo de vencimento, indicando qual será o valor a entregar (por transferência, cheque ou dinheiro) na data do pagamento.

Apesar de ser usual, muitas vezes, negociar-se um ordenado com base no salário bruto, no final de contas, é no salário líquido que culmina a negociação, pois é o que o funcionário em questão receberá efetivamente e pelo qual regerá as suas contas pessoais.

Como se calcula o salário líquido?

O salário líquido é calculado retirando ao salário ilíquido ou bruto quaisquer valores de deduções, as contribuições para a Segurança Social e as retenções em sede de IRS (que serão entregues ao Estado pelo empregador) e acrescendo os subsídios e rendimentos que não são sujeitos a imposto, como é o caso do subsídio de alimentação (total ou parcialmente).

Tal dará uma fórmula deste tipo:

Salário líquido = salário ilíquido – deduções – contribuições para Segurança Social – retenções de IRS + subsídios ou rendimentos não tributáveis

Para um funcionário que aufira um salário-base fixo mês a mês, o procedimento é relativamente fácil, bastando a esse rendimento (que será o salário bruto) deduzir os valores para impostos e acrescer o subsídio de alimentação, pressupondo que este é isento de tributação.

Qual é a diferença do salário líquido para o ilíquido?

O salário ilíquido ou bruto corresponde aos valores que servem de base ao cálculo do salário líquido, ou seja, os valores a que o trabalhador tem direito antes de lhe serem deduzidas as deduções e obrigações fiscais. Por outras palavras, o salário líquido é o valor final que parte do salário ilíquido, sobre o qual são calculados os restantes valores.

O salário ilíquido é um conceito que, apesar de fazer sentido o trabalhador conhecer para poder verificar os valores a receber, faz mais sentido na ótica do empregador, pois é a partir deste que se calculam os direitos do trabalhador e, consequentemente, os custos para a empresa. Dito isso, para poder fazer a transferência ou passar o cheque, é no salário líquido que a empresa atenta.

Compreender os componentes do cálculo do salário líquido

Como se pode aferir pela fórmula acima, é necessário ter em conta alguns aspetos para se chegar ao cálculo do ordenado líquido a pagar ao trabalhador. Explicamos brevemente cada um deles.

Salário ilíquido ou bruto

Como referido, o salário ilíquido engloba os direitos que têm de ser pagos aos trabalhadores, independentemente de impostos e outras deduções. São exemplos de valores que podem ser englobados no salário bruto:

  • a remuneração-base;
  • as comissões;
  • as diuturnidades;
  • os subsídios de férias e de Natal (em duodécimos ou nos meses correspondentes);
  • os bónus;
  • as remunerações por horas trabalhadas;
  • as compensações por trabalho em regimes excecionais.

O valor obtido servirá de base para o cálculo das contribuições para a Segurança Social e das retenções em sede de IRS.

Deduções ao salário ilíquido

Depois de apurados os valores que constituem o salário ilíquido, há algumas situações que são da responsabilidade do trabalhador e, portanto, terão de lhe ser deduzidas, das quais são exemplos:

  • as penhoras impostas ao trabalhador;
  • as contribuições para pensões;
  • os seguros de saúde;
  • os seguros de vida.

Contribuições para a Segurança Social

Sobre o salário bruto calculado para o trabalhador, é aplicada uma taxa fixa de 11% destinada a contribuições para a Segurança Social – por exemplo, para um trabalhador cujo salário ilíquido seja de 1.000 euros, o valor para a Segurança Social é de 110 euros.

Este valor de 11% é da responsabilidade do trabalhador, por isso, é deduzido aos valores a pagar-lhe, sendo retido pelo empregador, que o vai entregar mensalmente ao Estado.

Há ainda um valor de contribuições para Segurança Social que é da responsabilidade da empresa e que também é calculado com base no salário ilíquido, nomeadamente 23,75% deste, que é entregue mensalmente nos cofres do Estado ao mesmo tempo que o retido do vencimento do trabalhador.

Retenções em sede de IRS

O IRS é um imposto que taxa os vencimentos dos indivíduos consoante o seu montante de rendimentos que é apurado uma vez no ano.

No entanto, de modo a que os valores a pagar não sejam tão pesados na altura do apuramento, em rendimentos superiores a determinados valores, a empresa tem de reter mensalmente uma percentagem a título de adiantamento, sendo da sua responsabilidade a respetiva entrega ao Estado.

A percentagem a reter é fixada anualmente numa tabela de retenções na fonte emitida pela Autoridade Tributária e varia com:

  • o valor do salário bruto mensal, já que a tabela é organizada por escalões;
  • a localização (Continente, Região Autónoma da Madeira ou Região Autónoma dos Açores;
  • a situação conjugal do trabalhador (não casado ou casado com um ou com dois titulares);
  • o número de dependentes a cargo do agregado familiar;
  • a existência ou não de deficiência.

Subsídios ou rendimentos não tributáveis

Depois de apurados os valores a pagar deduzidos das obrigações, devem ser adicionados os valores que não são sujeitos a tributação, na parte em que não o são, devendo o restante ser sujeito ao cálculo dos impostos respetivos. São exemplos destes rendimentos:

  • o subsídio de alimentação, na parte que não ultrapasse 4,77 euros por dia de trabalho quando pago em dinheiro (ou afim) e 7,63 euros quando pago através de vale ou cartão de refeição;
  • a indemnização por despedimento, na parte em que não ultrapassem a média dos salários auferidos nos 12 meses anteriores ao facto por cada ano de antiguidade, em sede de IRS, sendo a totalidade isenta de contribuições para a Segurança Social;
  • o subsídio de deslocação, quando o seu valor ultrapassa 36 cêntimos por quilómetro percorrido em viatura própria ou 50,20 euros por dia em deslocações dentro do país e 89,35 euros no estrangeiro.

O processamento salarial fica muito mais fácil com o ROSE Accounting Services

Começámos o artigo por referir que uma das tarefas mensais certas de qualquer negócio com funcionários é o cálculo do vencimento mensal dos mesmos. As boas notícias que lhe trazemos é que, tanto para empresários como para contabilistas, esse processamento salarial pode tornar-se significativamente mais fácil – automático, até – graças ao ROSE Accounting Services.

O ROSE AS é uma plataforma disruptiva de contabilidade cooperativa que funciona na cloud, permitindo-lhe aceder aos dados em tempo real da sua empresa a qualquer hora e em qualquer lugar através de computador ou dispositivos móveis. Em constante evolução, uma das vantagens que o ROSE AS apresenta é o processamento automatizado dos salários, desde a criação do contrato à emissão dos recibos de vencimento, emissão das declarações mensais e a respetiva entrega às entidades oficiais, a cada mês. Além disso, toda esta informação fica disponível na contabilidade, removendo muito do trabalho da gestão dos vencimentos dos colaboradores para que se possa concentrar no crescimento do negócio.

Faça o teste, peça agora uma demonstração gratuita do ROSE!

Partilhe este artigo:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Trabalhe numa plataforma cloud colaborativa e integrada, onde e quando quiser.

Outros artigos do seu interesse

Gestão e Negócios

Código CAE: para que serve e como consultar

Fique a saber tudo o que precisa sobre o código CAE, incluindo o que é, para o que serve, quantos códigos CAE uma empresa pode ter e como o consultar.

Pessoas e Remunerações

O que é e para que serve o salário ilíquido

A resposta às principais questões que possa ter sobre o conceito de salário ilíquido: o que é, como se calcula, a diferença para o salário líquido e porque é necessário para as empresas.

Gestão e Negócios

Como criar uma empresa online

Pretende empreender em Portugal ou auxiliar na criação da empresa enquanto contabilista? Então este guia de como criar a empresa online é para si.